Lente de contato dental

O que são as lentes de contato dentais?

Lentes de contato dentais nada mais são do que facetas cerâmicas realizadas com cerâmicas injetadas que proporcionam maior resistência e resultados mais estéticos com uma espessura muito inferior aos laminados que eram realizados há alguns anos atrás.

As facetas cerâmicas, laminados ou lentes de contato dentais, são restaurações dentárias realizadas em casos específicos e trazem resultados incríveis quanto à durabilidade, estética e naturalidade do sorriso.

Qual a grande vantagem das lentes de contato dentais em relação às facetas?

A grande vantagem das lentes de contatos dentais é a necessidade de um menor desgaste dentário na sua confecção, conservando a estrutura natural do dente do paciente. Por esse motivo acabaram entrando em evidência e é atualmente um dos procedimentos mais procurados nos consultórios odontológicos.

Quais as indicações das lentes de contato dentais?

– Aumento do tamanho dos dentes para pacientes com diastemas (espaço entre os dentes – sorriso infantil)

– Dentes com alteração significativa da cor, não sendo possível a correção pelo clareamento.

– Dentes que sofreram muitos desgastes ao longo da vida

– Dentes com fraturas por traumas

– Alterações de forma/tamanho de dentes (incisivos laterais conóides)

Qual a quantidade de desgaste dentário necessária ara o preparo das lentes de contato?

Vai depender muito da situação do dente do paciente e do nível de alteração desejado.

O preparo para realização deste trabalho poderá ser muito invasivo quando não queremos nenhuma projeção do lábio ou quando existe uma alteração significativa da cor do dente.

Porém, pode ser praticamente insignificante, com pouquíssimos desgastes, em casos de fechamento de diastemas, por exemplo.

Portanto, o profissional deverá realizar uma análise especifica de cada caso, realizando um ensaio com material provisório, simulando o resultado junto com o paciente a partir de um enceramento, para definição da melhor forma de realizar este procedimento e alcançar o resultado esperado pelo paciente.

Odontologia Restauradora

A Odontologia Restauradora é a área da Odontologia que recupera a forma e a função dos dentes afetados por cárie ou trauma através de restauração e reconstrução. As restaurações em resina, também conhecidas como restaurações brancas, são muito utilizadas para melhorar a forma dos dentes, consertar dentes quebrados ou manchados, na troca de restaurações antigas ou no processo de restauração de cavidades de cárie. Existe uma infinidade de gama de cores de resina, que permite reproduzir a cor de cada dente com perfeição para tornar a restauração imperceptível.

Assim como outros tratamentos odontológicos, as restaurações em resina são super resistentes, mas precisam ser trocadas em intervalos de alguns anos de acordo com o tamanho da restauração e do dente. Essa avaliação será feita pelo dentista na sua consulta periódica.

Quais são os riscos de não realizar a restauração?

O não tratamento da doença cárie pode levar ao progressivo comprometimento dos tecidos dentários e provocar:

  • Dores cada vez mais frequentes e intensas;
  • Necessidade de tratamento de canal, caso a cárie tenha atingido a polpa do dente;
  • Eventual perda do dente, prejudicando a auto estima.

As restaurações existentes devem ser reavaliadas de 6 em 6 meses por um dentista, já que o dente restaurado é sempre mais vulnerável que o dente íntegro.

Laserterapia

O laser é uma fonte de luz com vários comprimentos de onda que lhe conferem propriedades terapêuticas, portanto, possuem ação anti-inflamatória, analgésica e bioestimulante. Atualmente devemos considerar o laser um auxiliar terapêutico indispensável ao consultório odontológico. De um modo geral, o laser terapêutico tem uma série de indicações e pode ser usado isoladamente ou como coadjuvante de outros tratamentos, sempre que se necessite de um efeito local ou ainda quando se necessite de um efeito terapêutico geral.

Algumas aplicações e indicações do laser terapêutico na odontologia:

Alívio da dor: promove o alívio de dores de diversas etiologias, dores de origem pulpar, dores nevrálgicas, dores em tecido mole, mialgias, dores de pré e pós-operatório, entre outras aplicações.

Reparação tecidual: promove uma reparação tecidual mais rápida em caso de lesões traumáticas.

Redução de edema ou inchaço: indicado na aplicação do pós-operatório de procedimentos periodontais (inflamações gengivais e dos tecidos de sustentação dos dentes), bem como de outras cirurgias orais menores.

Alívio da hipersensibilidade dentária.

Paralisia facial.

Herpes labial.

Aftas.

Alveolite: infecção ou inflamação do alvéolo pós-extração dentária.

Exodontia: pós-extração dentária.

Nevralgia do trigêmeo.

Periodontite.

Dores na articulação temporo-mandibular.

A tendência da odontologia é a incorporação de métodos menos invasivos com a finalidade de minimizar a dor e o desconforto durante e após as intervenções odontológicas. Por isso, acredita-se que a Laserterapia seja uma excelente opção de tratamento, já que apresenta efeitos antiinflamatórios e analgésicos, além de estimular o crescimento e a regeneração celular.

Periodontia

Especialidade da odontologia responsável pela prevenção e tratamento das doenças que acometem os tecidos de sustentação (osso, ligamento periodontal e cemento) e proteção (gengiva) dos dentes.

Essas alterações patológicas são chamadas de doenças periodontais, como a gengivite (inflamação dos tecidos gengivais que circundam os dentes) e a periodontite (inflamação que atinge os tecidos periodontais, provocando a destruição do osso alveolar, responsável pela fixação dos dentes).

Alguns sinais da doença periodontal:

  • sangramento gengival
  • mau hálito
  • mobilidade dentária
  • retração gengival
  • inflamação gengival
  • presença de exsudato (pus) entre a gengiva e o dente

Prótese Dentária

A prótese é a área da odontologia que tem a nobre função de reabilitar a função mastigatória, estética, fonação através do uso de prótese dentária para substituir os dentes naturais que foram removidos.

É importante informar que qualquer tipo de prótese dentária exige um período de adaptação e que o cliente deve estar consciente disso.

Toda prótese tem um tempo de vida útil de aproximadamente 3 a 5 anos e que a sua durabilidade está diretamente relacionada com cuidados diários de uso e higienização da prótese dentária.

Existem vários tipos de próteses, a indicação é de acordo com a sua necessidade e seu diagnóstico realizado no consultório.

Ortodontia

O tratamento com aparelhos dentais é recomendado às mais variadas pessoas, e em diferentes idades. O que causa o aparecimento de dentes desalinhados ou sobrepostos são incontáveis influências de hábitos e até mesmo heranças genéticas.

Aparelhos fixos: são eficientes e em casos de problemas dentários mais graves, corrigem o problema dependendo da colaboração do paciente, que por sua vez deve ter muito cuidado com a higiene. A escolha de qual tipo de aparelho é verificada caso a caso. Apesar de a tecnologia trazer opções mais discretas e quase invisíveis, os modelos tradicionais ainda são mais acessíveis e procurados pela maioria das pessoas.

Aparelhos móveis: ao final do tratamento ortodôntico entramos numa fase muito importante, que é a fase de manutenção do tratamento. Na arcada superior normalmente optamos por um aparelho móvel, contenção removível, que irá manter o resultado final da ortodontia. Importante seguir as instruções e comparecer nas consultas de revisão. Crianças entre 5 e 6 anos de idade, já tem formação dental que permite ao ortodontista diagnosticar e planejar qual o melhor tratamento para que se faça uma primeira intervenção com aparelho ortodôntico.

Aparelhos estéticos: devido às exigências estéticas atuais muitos pacientes adultos têm procurado os consultórios em busca de um sorriso perfeito. Em cima disso, surgiram os aparelhos estéticos (compostos de cerâmica), sendo quase imperceptíveis imitando a cor dos dentes de cada paciente.

Disfunção da ATM

A Disfunção da ATM é o funcionamento anormal da articulação temporo-mandibular, ligamentos, músculos da mastigação, ossos maxilar-mandíbula, dentes e estruturas de suporte dentário.

Quando existe a disfunção, o paciente apresenta sintomas, como dor de cabeça, dor de ouvido e/ou zumbidos, dor ou cansaço dos músculos da mastigação, ruídos articulares (estalos ou crepitação) e dificuldade para abrir a boca.

A disfunção da ATM está relacionada a hábitos comuns, como o apertamento dentário e o bruxismo (frender ou ranger), morder objetos estranhos, roer unhas, mastigar chicletes, postura da cabeça (para a frente), o de prender o telefone com o queixo ou ainda apresentar fatores relacionados com o estresse, depressão e ansiedade ou eventos traumáticos.

Estes pacientes apresentam um quadro clínico muitas vezes obscuro, devido a complexidade anatomo-funcional da cabeça e o comprometimento emocional, envolvendo, no estudo desta doença, o médico clínico, ORL, neurologista, cirurgião buco-maxilo-facial, dentista clínico, médico fisiatra, fonoaudiólogo, psiquiatra e também o psicólogo, pelo constante estresse e tensão emocional, já que a dor muscular causa tensão e depressão, criando-se assim um ciclo vicioso de dor-depressão, característico nos pacientes com dores crônicas.

Na maioria dos casos, por sentir dor de ouvido ou dor de cabeça (talvez, a mais freqüente de todas as queixas de dor local intermitente e, por serem manifestações heterotópicas é uma dor primária bastante rara), submetem-se a avaliação médica e exames de eletroencefalografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, no entanto, sem chegar a um diagnóstico preciso por tratar-se de pacientes com disfunção da ATM.

Esta disfunção é encontrada, com maior freqüência nas mulheres, sendo aproximadamente de 9 mulheres para 1 homem. Tenta-se explicar esta alta incidência, devido ao fato da mulher estar exposta ao estresse emocional, às mudanças hormonais durante o ciclo menstrual o a gravidez e às alterações anatômicas, que produziriam uma má relação do côndilo com o disco articular; e também, comparadas aos homens, procuram com maior freqüência ajuda médica. Em relação a idade, pode ocorrer em qualquer faixa etária, mas é mais comum dos 30 aos 40 anos.

A oclusão dentária representa papel importante como fator predisponente que altera o sistema mastigatório, incrementando os riscos para desenvolver disfunção de ATM. Os hábitos parafuncionais e má-oclusão dentária induziriam micro-traumas na ATM, desenvolvendo-se assim lesões degenerativas no côndilo e no disco articular.

Cabe ao Cirurgião Dentista especializado a grande responsabilidade para o correto controle das dores oro-faciais. Sua experiência e a busca constante de melhorias nos serviços técnicos prestados, orientados pela ética e responsabilidade profissional, fará com que diferencie as dores que vêm das regiões orais e, portanto, elimine-as com procedimentos odontológicos. Aquelas que provêm de outras regiões necessitam de tratamento médico.

Endodontia

Especialidade odontológica popularmente conhecida como “tratamento de canal”, responsável pela prevenção e tratamento das doenças da polpa do dente.

A endodontia também atua no tratamento clinicoterápico dos casos de necrose pulpar e suas possíveis consequências, como abscessos, cistos de pequeno e médio porte, dentre outros.

O tratamento de canal consiste na remoção da polpa dental, uma estrutura viva que contém, entre outros elementos, nervos e vasos sanguíneos.

Harmonização Facial

Um novo conceito em beleza
Hoje as pessoas têm valorizado muito mais a questão da harmonia facial do que um rosto com traços perfeitos.

A face pode talvez não ser naturalmente bela, mas com a tecnologia disponível hoje, todos os traços podem ser harmonizados através de um planejamento personalizado, feito de acordo com o perfil de cada paciente.

Mesmo as pessoas mais resistentes aos procedimentos estéticos, chegam em um determinado momento da vida que se rendem, mesmo começando com o procedimento que seja apenas para dar aquela aparência de pele “descansada”.

A mudança pode começar a partir da construção de um novo sorriso, afinal ele abre portas, estreita relações, e ocupa um local de destaque na sociedade. É impressionante como ele pode ter um papel transformador na vida de uma pessoa. O simples fato de ter uma gengiva exposta, por exemplo, pode causar no psicológico de uma pessoa questões sérias que comprometem outras áreas da vida.

Por causa de todas estas questões que vão muito além da aparência, mas que trabalham com a autoestima, a estética do sorriso, e da face, vem sendo estudada de forma bem ampla pela Odontologia.

A transformação do sorriso, hoje caminha junto com a harmonização das linhas faciais,um colabora com o outro no sentido de mudar realmente a vida de uma pessoa. Sentir-se bem interfere em fatos cotidianos que nem imaginamos.

Os motivos para darmos cada vez mais abertura aos novos procedimentos, principalmente os menos invasivos, para chegarmos bem na maturidade, sem vergonha nenhuma.

A harmonização facial é um conjunto de procedimentos estéticos que tem por objetivo harmonizar os dentes esteticamente e funcionalmente a boca, aos lábios e a face, onde, os dentes complementam o sorriso que completam o rosto como um todo e isso tudo a partir de uma visão mais aprofundada da face na busca de um equilíbrio funcional e estético integrado.

Portanto a harmonização facial é um conjunto de procedimentos estéticos que tem por objetivo harmonizar integrar esteticamente e funcionalmente:

  •  os dentes, a gengiva, os lábios, as expressões facias,as funções musculares faciais, as marcas de expressão.

Isso tudo é feito através da integração dos cuidados com a pele, do visagismo, do botox, da aplicação do ácido hialurônico, dos fios de sustentação, da fitoterapia, do clareamento dentário, das lentes de contato dental, dos implantes dentário, da bichectomia, outros procedimentos tudo em busca do equilíbrio estético funcional.

Procedimentos da Clínica:

  • Clínica Geral
  • Endodontia
  • Implantes dentários
  • Ortodontia
  • Lentes de Contato dentária
  • Harmonização Facial ( Toxina Botulínica, preenchedores faciais, bichectomia, visagismo, radiofrequência, microagulhamento, fototerapia, fios de sustentação, mesoterapia, skimbooster e cuidados geral com a pele

Implantes Dentários

Os implantes dentários são suportes ou pinos de titânio, muito parecidos com um pequeno parafuso, posicionados cirurgicamente no osso maxilar abaixo da gengiva. O objetivo é substituir as raízes dentárias, mantendo a semelhança estética. Uma vez colocados, os implantes permitem ao dentista confeccionar dentes substitutos (prótese), passando a funcionar como uma espécie de “raiz artificial”.

Para algumas pessoas, a dentadura e a ponte-móvel são desconfortáveis devido a pontos doloridos ou falta de adaptação. Já os implantes dentários são diferentes porque integrados ao osso, eles oferecem mais estabilidade, potência mastigatória, melhor alimentação e segurança social, principalmente, para sorrir.

Com a colocação de implantes, seja ele unitário ou múltiplo, por carga tardia (tradicional) ou imediata, não é necessário desgastar um dente natural para apoiar os novos dentes substitutos no lugar, como é feito em outros tratamentos. Para receber um implante é preciso ter gengivas saudáveis e ossos adequados para sustentá-lo. Uma higiene bucal cuidadosa e visitas regulares ao dentista são essenciais para o sucesso a longo prazo de seus implantes